OQS Budapeste: Resultados preliminares do parque masculino e da rua feminina!

al como fizemos em Xangai há pouco menos de um mês, vamos dar um passo atrás na acção neste momento para voltar a nossa atenção para os espaços de skate que constituem os pontos centrais do OQS Budapest. É interessante notar os aspectos de dificuldade projetada que ambos apresentam.

O Parque FOP (Field Of Play) contém não uma, mas duas estruturas vulcânicas no meio, uma das quais imita um vulcão cônico em que o que normalmente é o topo é na verdade uma bacia labial. O segundo tem uma espécie de relógio de sol que cria um lado alto e um lado baixo, cujas linhas potenciais em torno das quais estavam apenas sendo exploradas durante os dias anteriores de prática. 

(As sugestões de nomes alternativos da tripulação para o relógio de sol até agora incluem: The Fishmouth, Clog, Fatlip, The Cabriolet, Suicidal Tendencies Cap e Raclette Cheese. Na verdade, algumas grandes mentes estão evidentemente trabalhando aqui).

O Street FOP apresenta o primeiro corrimão duplo que encontramos na Road To Paris, bem como duas calçadas escareadas, o que significa que você limpa toda a plataforma de margem a margem ou vai cair. Margem zero por faltar, aí.

A área relativamente pequena do parque (em comparação com Sharjah ou San Juan) parece até agora estar favorecendo os skatistas que podem fazer ajustes super-rápidos e sair de situações imprevistas com um rápido truque labial. Certamente, ninguém acertou totalmente de imediato e o primeiro dia de treinos viu alguns golpes nervosos enquanto as pessoas estabeleciam o que funciona e o que não funciona em termos de linhas e combinações. A título de ilustração: nas preliminares masculinas, ninguém completou três corridas completas; o mestre blaster Pedro Barros se viu incapaz de prosseguir, e Keefer Wilson abriu o queixo em um golpe que parecia doloroso, mas deve ser capaz de patinar nas semifinais amanhã, dada esta noite para se recuperar – dedos cruzados.

Surpreendentemente, porém – e isso sem dúvida se deve ao fato de que aqui estão apenas os 44 melhores por categoria de patinação – de repente você percebe que depois de dois dias de familiarização com este novo terreno, os blocos de construção das pistas individuais começam a se montar em algo mais próximo de 45 segundos de excitação conectada.

Agora, é possível que você veja esse nível de adaptabilidade em algo como o golfe, por exemplo – mas os jogadores de golfe não arriscam suas vidas toda vez que dão a tacada inicial. Esse ritmo de adaptabilidade deve ser uma das marcas da grandeza do skate.

48 horas atrás, todos estavam fazendo suas primeiras tentativas em cada obstáculo. Agora, depois de apenas algumas horas de cálculos instintivos e algumas estratégias baseadas em quartos de hotel, a batalha estava pronta para ser travada como se todos estivessem aqui há semanas. Hoje, no Women’s Street, essa estratégia trouxe um enorme resultado de equipe: se eu perguntasse qual nação estava enviando o maior número de mulheres para as semifinais, depois do sempre dominante japonês (6), quem você diria que era essa nação? EUA? Austrália? Não: China (4), onde se juntam a eles uma dupla de australianos e americanos, bem como o dominador holandês Roos Zwetsloot e o cada vez melhor colombiano Jazmin Alvarez.

Então: agora conhecemos todos os nossos semifinalistas do OQS Budapeste neste fim de semana: acompanhe a ação ao vivo em Olympics.com e fique por dentro das atualizações em tempo real seguindo @worldskatesb em suas plataformas de mídia social preferidas!

Avatar de Sagaz

Por Sagaz

/// Diretor de Arte por profissão e Skatista da vida. Conhecido como Julio Sagaz no Vale do Paraíba/SP, skatista overall desde 1995, passando pelas marcas Ramp Real Street/Santos, Posso! Caçapava, Posso/Adidas, Posso/RedNose e DoubleM. Atualmente é diretor da agência de publicidade e criador do maior portal de skate do vale do Paraíba a Skate Vale Brasil. 🛹💥🤟🌎📌📸 #juntossomosmaisfortes #skatesalva #mapadaspistas #valedoparaibasp